Português Italian English Spanish

Mauro volta a criticar decisão do TCU e diz que suspensão do BRT é uma "presepada"

Mauro volta a criticar decisão do TCU e diz que suspensão do BRT é uma "presepada"


Governador afirmou que irá tomar todas as medidas para reverter situação e dar andamento ao modal

Governador Mauro Mendes (União Brasil) voltou a criticar a  decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre suspender os procedimentos da substituição das obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) para Ônibus de Transporte Rápido (BRT) de absurdo. Segundo o governador, o órgão cometeu algum engano ou algo precisa ser explicado em relação a determinação que atendeu ao pedido do prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro. 

“O TCU fez uma presepada ao meu ver, respeito o ministro lá. Mas, ele ou a assessoria dele cometeu um engano, ou algo que precisa ser explicado”, ressaltou Mendes, dizendo que medida não é séria. 

O ministro Aroldo Cedraz foi o responsável pela paralisação dos procedimentos administrativos. Segundo Cedraz, em um eventual prosseguimento da substituição do modal, inexistiria tempo hábil para o TCU examinar detalhadamente todos os regulamentos e pormenores das contas. 

Para o governador a decisão é absurda. “Não tem um centavo de verba federal, tudo é 100% dinheiro de Mato Grosso, o TCU não tem que se meter nessa história. É um absurdo o que o TCU fez”, afirmou.

O Tribunal concedeu ao governo do Estado o prazo de quinze dias, a partir do dia 6 de maio,  para se pronunciar sobre a medida acautelatória e dos pressupostos para sua concessão, além das irregularidades apontadas pelo município de Cuiabá

“Vamos tomar todas as medidas possíveis e necessárias, o que foi feito é um absurdo. O que o TCU fez não é sério, não é correto”, respondeu o chefe do Governo. 

Em dezembro de 2020, o governador Mauro Mendes (União) anunciou o abandono das obras do VLT para implantar o BRT. Desde então, uma verdadeira batalha judicial foi travada entre Estado e municípios.   

Ao deferir a liminar, o ministro levou em consideração os argumentos da Prefeitura de Cuiabá que alegou que o governo não ouviu Cuiabá e Várzea Grande – municípios em que passariam o VLT – antes de optar pela troca.

 

 

Beatriz Passos

  Seja o primeiro a comentar!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Envie seu comentário preenchendo os campos abaixo

Nome
E-mail
Localização
Comentário

Banner Superior Esquerda

Banner Central Esquerda

Banner Inferior Esquerda

 

 
 

 

 

COLUNAS E OPINIÃO

Blog do Samy Dana

Colunista O Repórter do Araguaia

Gerson Camarotti

Colunista O Repórter do Araguaia

 

VÍDEOS

 

Acesse nosso Canal no Youtube

 

NOSSOS PARCEIROS