Português Italian English Spanish

Operação da Policia Federal mira empresa que "camuflava" caso de propina para servidores da Funai em Confresa

Operação da Policia Federal mira empresa que "camuflava" caso de propina para servidores da Funai em Confresa


A empresa contratada por um dos servidores da FUNAI que foi preso na 1ª fase da Operação é suspeita de ter papel ativo no esquema,

A Polícia Federal em Barra do Garças cumpriu nesta quinta-feira (31), em Confresa, durante a deflagração da 2ª fase da “Operação Res Capta”, dois mandados de busca e apreensão, sendo um na sede de uma empresa suspeita de ter atuado decisivamente na camuflagem do suposto recebimento de propinas por servidores da FUNAI de Ribeirão Cascalheira e o outro na residência da pessoa responsável pela referida empresa.

Através da análise preliminar do material apreendido na 1ª fase da “Operação Res Capta”, em cotejo com as diversas oitivas realizadas, apurou-se que as pessoas que arrendavam ilegalmente terra na Reserva Indígena Marãiwatsédé estavam sendo obrigadas a pagar 10% (dez por cento) do valor do arrendamento, de forma antecipada, a servidores da FUNAI de Ribeirão Cascalheira, por supostos serviços de medição da área.

Eles pagariam, ainda, após a finalização das supostas medições, R$ 5,00 por hectare medido, o que poderia totalizar aproximadamente R$ 825.000,00, considerando a extensão da Terra Indígena. Através da deflagração da 1ª fase da Operação, interrompeu-se a continuidade delitiva.

Segundo o teor dos interrogatórios prestados na Delegacia de Polícia Federal em Barra do Garças, os servidores alegaram aos arrendatários que a medições seriam imprescindíveis para formalizar um suposto Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) no Ministério Público Federal. Esse TAC, que nunca existiu, permitiria aos arrendatários explorar economicamente a Terra Indígena Marãiwatsédé por até 15 anos.

A empresa contratada por um dos servidores da FUNAI que foi preso na 1ª fase da Operação é suspeita de ter papel preponderante no esquema, eis que ela era responsável pela execução dos serviços desnecessários. Suspeita-se que as supostas medições serviriam para camuflar a natureza ilícita dos pagamentos.

 

 

FONTE: Redação de Jornalismo da Eldorado FM

  Seja o primeiro a comentar!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Envie seu comentário preenchendo os campos abaixo

Nome
E-mail
Localização
Comentário

Banner Superior Esquerda

Banner Central Esquerda

Banner Inferior Esquerda

 

 
 

 

 

COLUNAS E OPINIÃO

Blog do Samy Dana

Colunista O Repórter do Araguaia

Gerson Camarotti

Colunista O Repórter do Araguaia

 

VÍDEOS

 

Acesse nosso Canal no Youtube

 

NOSSOS PARCEIROS