Português Italian English Spanish

Sepultamento de Dom Pedro Casaldáliga é marcado por emoção e homenagens

Sepultamento de Dom Pedro Casaldáliga é marcado por emoção e homenagens


14/08/2020

O sepultamento de Dom Pedro Casaldáliga ocorreu na manhã de quarta-feira (12), no Cemitério Iny (Karajá) à beira do Rio Araguaia, em São Félix do Araguaia, no Mato Grosso. O velório e o enterro foram acompanhados de muita simplicidade, serenidade e gratidão, que condizem com a trajetória do bispo. 

“Nós viemos para essa celebração muito emocionados, e a celebração também foi emocionante. Pedro sempre quis ser enterrado na beira do Araguaia, de baixo de pé de pequi, no Cemitério dos Karajá. E a gente queria ver esse desejo dele cumprido”, afirma Frei Paulinho. 

De fato, foi Casaldáliga quem pediu para ser enterrado no “Cemitério Karajá”, como é chamada na região a área onde eram sepultados indígenas e trabalhadores sem terra que foram explorados e, muitas vezes, assassinados pelos grileiros da região.

 

 

 

 

 

 

Durante o velório, que começou às 18h desta terça-feira (11), indígenas karajá realizaram uma homenagem ao bispo, seguida pelo sepultamento. Segundo Telma Araújo, amiga do bispo, esse foi um dos momentos mais emocionantes da cerimônia. 

 

 

 

 

 

 

“Eu achei que foi uma cerimônia muito simples, muito a cara do Pedro. Respeitaram o que o Pedro sempre quis. Um momento que eu achei muito alto a homenagem que os índios karajá fizeram a Pedro em gratidão, e também o destaque que tiveram os cuidadores e as pessoas que a vida toda trabalharam com o Pedro. A sensação foi de muita gratidão, alegria e compromisso, principalmente, com as causas do Pedro”, afirma Araújo. 

Gilberto Carvalho, ex- ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, destacou o quão emocionante foi a cerimônia. “Eu vim cumprir uma missão, além de representar o ex-presidente Lula, uma missão pessoal de gratidão, reconhecimento e, sobretudo, de pedido de forças ao Pedro, nesse momento tão difícil que nós estamos atravessando”.

 

 

 

 

 

 

Da mesma maneira, Sara Piovani Braga, de 16 anos, também chama a atenção para o reconhecimento da trajetória do bispo. E lembra: “uma das coisas de Dom Pedro que eu acho que a juventude deveria levar é humildade e amor ao próximo”.

Casaldáliga morreu no último sábado (8), em Batatais, interior de São Paulo, onde estava internado desde o dia 4 de agosto para cuidar de um derrame pulmonar. O religioso convivia com o mal de Parkinson, que contribuiu para o agravamento de seu estado de saúde. Com a saúde fragilizada, o religioso respirava por aparelhos e recebia alimentação por uma sonda.

 

 

 

 

 

 

Sua morte gerou profunda comoção e manifestação de diversas personalidades, como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que se manifestou nas redes sociais. “Nossa terra, nosso povo perde hoje um grande defensor e exemplo de vida generosa na luta por um mundo melhor, que nos fará muita falta.

A Prefeita Janailza Taveira o vice-prefeito José Divino (PMB) e servidores municipais de São Félix do Araguaia, ambos frisaram o carinho que o religioso demonstrou pela cidade. “Dom Pedro sempre teve um olhar muito afetuoso, de pastor e de pai de São Félix do Araguaia. Ele foi o grande pastor, mediador do fortalecimento da fé do nosso povo. Em São Félix do Araguaia ele se sentia tão em casa”, disse a prefeita.

 

 

 

 

 

 

Coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), João Pedro Stédile também lastimou a morte do religioso. “Me sinto privilegiado por ter sido amigo do grande Dom Pedro Casaldáliga, um profeta e um personagem da história do Brasil que viveu coerentemente com as suas ideias e vivenciou o evangelho de sua forma. Dom Pedro esteve sempre comprometido com os trabalhadores, o povo, os indígenas, os sem terra, os quilombolas e quis viver como eles. Acima de tudo, nos ajudou a pensar a América Latina."

Um dos expoentes da Teologia da Libertação, assim como Casaldáliga, Leonardo Boff lamentou a perda do amigo. “Foi um grande pastor, que leva os seus fiéis para as paisagens verdejantes, participando de sua dor e de suas alegrias. É um profeta, que denuncia o latifúndio e anuncia a boa nova de Jesus, mas é um poeta, um poeta da altura de São João da Cruz. Pastor, profeta, poeta e um santo que nos recorda as virtudes do evangelho, da simplicidade e da paixão incondicional.”

 

 

FONTE: Brasil de Fato

Fotos: Vanessa Lima:O Repórter do Araguaia

  3 comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Envie seu comentário preenchendo os campos abaixo

Nome
E-mail
Localização
Comentário

Ele tava certo. Gostar de karajá é algo difícil. Turma de malandros que só fazem confusão.

Na verdade, Pedro defendia aos indígenas, independente de que tribo fosseSempre dizia:"Temos uma grande dívida para com os Karajá."Os Karajá, se fizeram presentes, através do Cacique da aldeia Santa Isabel e sua esposa e seu depoimento na vigília do sepultamento.Não vieram em massa, devido a precaução pedidda pela Vigilância Sanitária e devido ao COVID-19, que ataca principalmente os de baixa imunidade.Gratidão pela compreensão.

OS INDIOS DAS FOTOS, NÃO SÃO CARAJÁS E SIM XAVANTES,POIS ELE NUNCA GOSTOU DOS CARAJÁS E SIM DOS XAVANTES!!

 
 

 

 

COLUNAS E OPINIÃO

Blog do Samy Dana

Colunista O Repórter do Araguaia

Gerson Camarotti

Colunista O Repórter do Araguaia

 

VÍDEOS

 

Acesse nosso Canal no Youtube

 

NOSSOS PARCEIROS